Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Rapaz Invisível

Veio a pressa e não sai de perto de nós

IP.jpg

Quebro um pouco a tradição da atualidade para abordar com vocês algo tão enraizado no dia a dia que as vezes nem damos por ela. 

 
É de manhã. Acordamos atrasados, comemos à pressa e saímos. Ainda estamos a arrumar pastas e malas, dossiers, cadernos, apontamentos. Enfim, uma panóplia de coisas do nosso dia a dia. 
 
Esquecemos a carteira ou o telemóvel. Voltamos atrás. Perdeu-se o comboio ou é mais umas horas no carro. Estamos atrasados.
Isto é familiar?
 
Se sim, altura de pensar em algumas coisas: estamos a dormir bem? Se não, será por termos a cabeça a mil? Há pensamentos que não nos saem da cabeça? As preocupações são do tamanho de montanhas, o peito aperta e não sabemos como filtrar.
 
Ou então não é bem isso... São muitas coisas ao mesmo tempo. O chefe, as reuniões de pais, as exigências do trabalho, aquele projecto que está na gaveta a arrancar. 
 
Seja pelo que for, a dificuldade em cumprir horários pode ser indicador de outros problemas adjacentes e mais escondidos. 
 
Nas sociedades de hoje em dia, a pressa, o imediato e a impaciência impõem-se, forcando-nos muitas vezes a ter um ritmo alucinado e agressivo.
Paremos um pouco para analisar: porque o fazemos? Para alem do acima já descrito? 
 
Ou será essa uma forma de viciar o trabalho e corpo, fundindo-os, para que seja mais fácil não enfrentar o quotidiano familiar?
 
Pare.
Pense.
Olhe para si e por si.
---
O Rapaz Invisível também está no Facebook e no Instagram. Segue-o.